8 dicas para não errar no controle de estoque

Tecnologia da Informação - Softwares de Gestão ERP e Sistemas de T.I

Vamos direto ao ponto: você colocaria a mão no fogo pelo controle de estoque da sua empresa? Pois é. Apesar de se tratar de uma tarefa bem básica, o que notamos é que muitas vezes ela não é feita como se deveria. E então surgem os problemas: para começar, você achará que tem X unidades de tal produto, e só terá Y. Esse detalhe, acredite, pode dar muita dor de cabeça, prejuízo e, possivelmente, as consequências comprometerão o desempenho de toda a sua operação logística.

E não importa de qual empresa estamos falando: pequena, grande, e-commerce, indústria. Todas devem fazer o controle do seu estoque por um motivo básico: sobrar ou faltar produtos é um problemão para o funcionamento da empresa, compromete a satisfação dos clientes e pode virar um rombo no bolso do empreendedor. O controle de estoque é, sim, uma etapa fundamental para fazer uma gestão de estoque eficiente.

Imagine uma empresa com dezenas de lojas, em diferentes estados, e que também vende pela internet. Imagine a complexidade para gerir o fluxo de mercadorias, as entregas e tudo mais. Se o ponto de partida, ou seja, o controle do estoque, não for bem feito, toda a operação será comprometida, como em um efeito dominó. Pensando em um pequeno e-commerce, qualquer gasto indevido ou mal planejado também pode comprometer muito a vida do empreendedor. Perder vendas ou atrasar entregas, então, nem se fala.

Quando você faz (direito) o controle de estoque, você ganha:

  • Otimizando o seu investimento
  • Levantando mais informações sobre suas vendas. Quando mais você souber sobre o seu negócio, melhor.
  • Fazendo previsão da demanda dos consumidores mais precisas
  • Fazendo previsões e estimativas de pedidos de fornecedores mais precisas

1. Registrar tudo (que chega e que sai, mercadorias e insumos):

Isso significa criar um cadastro para cada item – e atualizar conforme houver alguma mudança de status – contendo informações como código e descrição, data de aquisição e de venda, além do preço pelo qual cada item foi vendido. Seja qual for o seus sistema (manual ou automático), fazer isso é OBRIGATÓRIO.

2. Cheque seus registros:

Parece um detalhe besta, mas muitas empresas não fazem isso e acabam tendo problemas sérios quando descobrem que algo está errado com os valores. Uma dica é implementar algum sistema de “Inventário Rotativo”. Assim, o próprio sistema escolhe diariamente itens para checar e poderá detectar eventuais erros.

3. Atenção aos produtos perecíveis:

Se eles estragarem antes que você venda, você terá prejuízo. Por isso, não deixe de considerar esse detalhe quando planejar suas compras com fornecedores.

4. Cuide da organização do espaço físico: 

Se você tem um estoque, precisa também garantir que a mercadoria desejada seja facilmente encontrada no seu espaço. De nada adianta você ter todas as informações sobre o produto, se não consegue achá-lo com agilidade quando precisa. A organização permite que você avalie com precisão o espaço que precisa, ganhe tempo e evite gastos extras com infra.

5. Estabeleça processos de controle de estoque:

Para evitar falhas, o melhor é definir rotinas claras de atualização das ferramentas de controle. Por exemplo: toda vez que um produto for vendido, entrar imediatamente na planilha ou no sistema e atualizar o status do produto e o estoque disponível na loja.
Envolva a equipe toda no processo: de que adianta investir em um sistema novo, se nem sua equipe (e muitas vezes nem você) saberão usá-lo da forma correta?

6. Amplie seu mercado

Expandir o negócio para outros mercados é um caminho para engordar as receitas. Expandir geograficamente ou buscar novos públicos pode colocar a empresa em outro patamar de faturamento, segundo o professor da FIA. É fundamental, no entanto, fazer uma checagem completa para avaliar se o caixa da empresa está saudável o suficiente para financiar a expansão

7. Mapeie e integre a sua operação:

Se você faz controle de estoque, também controla dados sobre as vendas do seu negócio. Com isso, você ganha sabendo com exatidão quais são os produtos com maior e menor saída e com que frequência cada item tem que ser reposto. Descobrir isso é simples: basta analisar o histórico de vendas. A integração também possibilita uma maior sinergia com sua área de marketing e vendas para, por exemplo, realizar promoções de queima de estoque quando tem muito produto parado, ou investir naquele produto que tem maior demanda.

8. Programe as compras com fornecedores:

Crie um calendário com as datas de compra para cada item. Sistemas específicos para o controle de estoque podem até enviar alertas quando chegar a hora de fazer a reposição.

Diferentemente do que muita gente acha, ter um esquema de venda organizado, do início ao fim, pode ser a diferença entre um cliente satisfeito ou não. E a base desse processo está em organizar e gerenciar bem o estoque.

Fonte: Endeavor

Tecnologia da Informação - Softwares de Gestão ERP e Sistemas de T.I